A importância do design na comunicação

No dia 26 de fevereiro de 2017 aconteceu a histórica 89ª edição o Oscar! Histórica não só pela qualidade dos filmes e atores, mas como também, por uma das maiores gafes de que se tem notícia! Quem acompanhou a entrega dos prêmios até tarde para saber qual filme seria consagrado como o melhor do ano, viu o ator Warren Beatty se enrolar totalmente com o envelope durante mais tempo do que o normal, quando a atriz Faye Dunaway anunciou:

“La La Land”.

Toda equipe subiu até o palco e no terceiro agradecimento, o produtor do filme La La Land anuncia que Moonlight era o vencedor! Na verdade, o envelope que estava na mão de Warren Beatty era o de melhor atriz. Prêmio ganho instantes antes pela Emma Stone, também do filme La La Land, por isso a enorme dúvida do Warren Beatty.

Mas qual é a relação da gafe com design?

Ok, houve um erro. A troca dos envelopes por alguém da organização e a falta de jogo de cintura do casal Warren Beatty e Faye Dunaway foram determinante para o que aconteceu.

Mas alguns dias depois, o criativo Benjamin Bannister fez uma proposta de mudança no envelope que vale o argumento. Ele sugeriu um redesign da tipologia e disposição dos elementos focados na ação. Ou seja, na conversão!

Sim, conversão!

Basta refletirmos: qual é o objetivo do envelope? Anunciar um vencedor de uma determinada categoria, e de um determinado filme.

Perceberam que o envelope trocado do Oscar possui o nome da vencedora e do filme do MESMO TAMANHO, quando na verdade o principal seria o nome da atriz Emma Stone!?

Certamente se o design do envelope fosse como o proposto pelo Benjamin, chamaria mais atenção dos atores, que poderiam notar que o envelope estava trocado, evitando a gafe. Quem sabe ano que vem, eles contratam o Benjamim pra isso!?

Somos todos criativos

Olá, eu me chamo Cristiano Santos, sou designer web e criador da Kamus Hub de Profissionais. E esse é o meu artigo de estreia e eu fiquei pensando em qual tema trazer para abrir a comunicação do blog que conseguisse atingir tanto o cliente, empresário ou empreendedor, e ao mesmo tempo, o profissional como designer, front-end ou planner. A dificuldade de escrever esse tipo de artigo é grande pois são públicos com necessidades específicas e de consumo de conteúdo tão diferentes, mas esse é o desafio, vamos encarar.

Como empreendedor, eu tenho como meta, contextualizar o conceito da Kamus como modelo de negócio explicando o que vendemos, e ao mesmo tempo estimular profissionais a se sentiram motivados a criar um ambiente de colaboração de inteligência coletiva em projetos da mesma forma que ocorrem em vários escritórios de coworking pelo mundo.

Então, como profissional de comunicação, fiz o básico que se espera ao criar esse tipo de conteúdo que é começar com a necessidade desses dois públicos que nós esperamos atingir, que solução nós resolvemos para cada um deles, e claro, que benefícios serão agregados ao escolher a Kamus! Pronto, está delineado o meu artigo de estreia!

Não tá fácil pra ninguém!

Não importa, seja empresário ou profissional, todos usam a frase acima para se justificar um com o outro. Pelo lado do cliente o cenário político-econômico do país o obriga a apertar o cinto, cortar custos, rever processos, tudo com objetivo de diminuir despesas. Já pelo lado do profissional, esse mesmo cenário faz com que ele não possa escolher projetos em que gostaria de trabalhar, e acaba absorvendo mais demandas e horas de trabalho para conseguir pagar as contas no fim do mês. O resultado disso é mais dificuldade de cumprir seus compromissos, e lógico, menos qualidade de vida para ambos.

Conceito coworking

A cada ano que passa, mais e mais empresas aderem o formato de coworking permitindo que seus funcionários trabalhem de casa aumentando radicalmente a produtividade e a qualidade de vida de seus contratados. O conceito é muito inteligente e sustentável, uma vez que a redução de custos permite que ambos os lados economizem tempo e dinheiro. E porque não aderir esse mesmo conceito, contratando uma equipe de profissionais espalhados pelos quatro cantos do mundo, sem precisar fazer a gestão de cada um deles?!

Pluralidade, foco e controle de qualidade

Segundo David Keller (assista o vídeo  seguir), “todos somos criativos“. Não importa a sua área, o conjunto de ‘expertises‘ diferentes só aumenta a pluralidade de competências do seu projeto e de cada um que atua nele. Ou seja, é bom pra clientes e profissionais. A gestão do time é demanda da Kamus, e nós usamos ferramentas que auxiliam nessa tarefa, e ainda permitem avaliar em tempo real o que está em produção e ambos os lados podem dar ‘feedback’ sobre os processos.

O que é a Kamus?

Geralmente eu respondo que não somos uma agência digital, apesar de prestar os mesmos tipos de serviços. Então eu respondo que somos mais que um time. Nós somos o projeto! Nossa missão é entregar o melhor produto, com a melhor experiência de criação possível, e de forma colaborativa.

Se você é empresário e gostou desse conceito, seja bem-vindo! Agora se você é profissional designer web ou gráfico, front-end, back-end, fullstack, planner ou redator web, e gostou do formato, seja bem-vindo também!

Aqui, todos somos a Kamus!