Posts

E se o projeto atrasar? Como fica o valor da minha hora-técnica?

O grande gargalo em produção é a quantidade de vezes que um escopo é modificado e que geram novas refações de trabalho. Isso acontece com muita frequência na maioria esmagadora de projetos e a Kamus foi modelada paraevitar justamente esse ‘core‘ de atuação do mercado.

É muito comum, mesmo de posse de um ‘briefing‘, o escopo ir alterando por falta de um direcionamento e acabamos “entubando” essas mudanças e quando percebemos, o projeto dobra de tamanho e tempo.

Esse cenário não é só ruim para os profissionais que atuam no projeto, mas para o cliente também! É só reconhecer que quanto mais o tempo passa, e mais novas funções são adicionadas ao escopo, mais a expectativa aumenta sobre o projeto, e em geral, o resultado entregue é aquém do esperado, e todos saem frustrados.

Na Kamus toda a produção é baseada na metodologia Kanban na plataforma Trello. Toda vez que somos contratados, nós criamos um ‘board‘ do produto, e com 5 minutos e pouquíssimos cliques, nós criamos a base de tarefas onde o projeto será acompanhado pelo cliente e coworkers.

Ou seja, os ‘cards‘ de TODAS as tarefas já estarão definidas.

Claro que existirão ajustes! Sim, mas a chance é minimizada uma vez que fica mais claro perceber se aquele pedido de mudança fere ou não o ‘briefing‘. O papel da Kamus é garantir que esses pedidos não alterem a quantidade de horas trabalhadas pelos coworkers do projeto.

Mas se ainda sim, a mudança for aceita, e ela impactar na geração de mais horas de produção, o coworker envolvido será bonificado em sua remuneração.

Como funciona a precificação das horas-técnicas?

Das perguntas que recebemos na Kamus, a relação da precificação é uma das mais frequentes e para respondê-la eu preciso contar como surgiu o projeto Kamus antes, vamos lá!

Analisando os dados de 8 anos de atuação

A Kamus nasceu da minha experiência de 8 anos como freelancer. De vez em quando eu precisava terceirizar algum serviço para agregar ao projeto. Por exemplo, na criação de sites em WordPress com layout exclusivo, eu tinha que contratar um programador para criar a versão HTML do meu layout feito no Photoshop, e depois esse profissional ainda tinha que implementar e configurar para o layout funcionar corretamente no WordPress.

Essa situação passou a ser cada vez mais recorrente nos últimos anos e eu acabei tabulando todos os dados numa planilha com a relação tempo de produção x custo. O mesmo aconteceu com outros serviços, como criar um layout de e-mail marketing, criação de logotipo e material de escritório, etc. Tudo passou a ser tabulado nesse documento.

Por conta disso eu percebi que os prazos eram na maioria das vezes bastante semelhantes e desde que eu aderi a ferramenta Trello para acompanhar a produção dos meus projetos, eu criei modelos de ‘cards‘ com todas as demandas baseadas nessa planilha. Foi aí que eu percebi que os meus projetos possuíam escopo fechado.

Quanto custa a hora de cada profissional?

Quando eu decidi tirar a Kamus da gaveta, eu queria saber quanto pagar para cada profissional e então eu fiz uma pesquisa com os meus contatos nas redes sociais e nos grupos de criação e desenvolvimento que eu fazia parte. A pesquisa rodou durante uns 2 meses e então cada um dizia quanto cobrava pela sua hora-técnica, e eu cheguei na média dos seus valores.

Criar a precificação foi bem fácil. Eu peguei o tempo que cada profissional atuava num determinado tipo de projeto e multiplicava pelo valor da hora-técnica e na remuneração da sua atuação. Somando os valores de todos os profissionais do projeto, cheguei então no preço final para o cliente!

Agora que você sabe como é a precificação na Kamus, que tal iniciar a comunicação da sua empresa, marca, serviço ou produto contratando um dos nossos produtos? Gostou da ideia? basta clicar no botão a seguir para receber um orçamento automaticamente!