A sua marca está preparada para receber uma enxurrada de críticas?

Qual é o propósito da sua empresa?

Publicado em: 06 de setembro de 2018 – Categoria: Negócios – Tags: Nike, NFL, Racismo, Ativismo, PublicidadeColin Kaepernick

Por Cristiano Santos

Fundador da Kamus, designer web especialista em criação de sites com WordPress focado em negócio; pai, marido e goleiro de fim de semana.

Já imaginou você criar uma campanha bem bacana, com forte engajamento político que mostre uma posição social forte da sua marca com uma questão social importante? Imaginou? Pois é, a Pepsi também imaginou participar mais ativamente sobre os movimentos sociais de protestos e criou uma campanha em vídeo estrelada pela modelo Kendall Jenner. Ela aparece fazendo um ensaio fotográfico na frente de um prédio onde se inicia uma passeata e ela se sensibiliza e adere ao protesto. O vídeo foi considerado “pior anúncio de todos os tempos” por supostamente banalizar o assunto abordado. A repercussão foi gigantesca, e a Pepsi retirou a sua campanha do ar.

Mas e se fosse a sua marca, como você faria nessa situação?

Tentaria debater com o público e defenderia o conceito da campanha? Fingiria que nada estava acontecendo e deixaria a campanha no ar mesmo assim, ou faria como a Pepsi que reconheceu o erro e retirou a campanha do ar? O irônico nessa campanha é que o conceito é justamente fazer com que a sociedade seja mais ativa aderindo aos protestos e foi justamente um movimento popular que derrubou o vídeo. Será que a Pepsi imaginou esse final? Com certeza não. Uma coisa é certa, comunicar é planejar, medir e se reinventar. Adivinhem em qual a fase a Pepsi está agora!

Esse artigo é útil para alguém? Compartilhe!

O que achou do artigo? Comente o que achou!

© 2016 – 2018 Kamus – Hub de Profissionais – (21) 98412-8528 – falecom@kamus.com.br – CNPJ 26.649.828/0001-69

Qual é a voz da sua marca e qual é a percepção do seu público?

Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar… os que não se fazem amar e os inumanos!

Esse é um trecho do filme “O Último Ditador” (The Great Dictator – 1940) de Charles Chaplin, o primeiro em que ouvimos a sua voz. Até então ele havia feito dezenas de filmes mudos, e resistiu durante muito tempo em aderir ao cinema com som, mas quando o fez, produziu essa obra-prima!

A voz ajudou a transmitir um conceito de reflexão proposta pelo personagem de Chaplin, mas também pode ser a expressão de uma marca, produto ou empresa.

Como o seu público percebe a voz da sua marca?

Será que ele acha que a vida dele fica melhor com as informações que a sua marca passa? Ou quem sabe a percepção é que a sua marca é divertida, engajada ou relevante? Claro que nem sempre o público consegue perceber corretamente a sua voz.

Mas nesse caso, é preciso então voltar para o lápis e papel e começar o planejamento novamente.

Um ótimo exercício é assistir o vídeo do músico Dave Grohl para o evento SXSW de 2013. Ele discursou sobre o seu processo de descoberta da sua própria voz quando mais jovem, que gerou a sua expressão como baterista da banda Nirvana nos anos 90 e depois na banda do Foo Fighters.

Vale o exercício!

Depois de assisti-lo, volte aqui e comente como você acha que é a voz da sua marca.

Por que a sua empresa ainda não tem um site que vende?

Certamente porque você contratou alguém para fazer um layout e não para desenvolver uma solução para o seu negócio! E eu não estou dizendo com isso que design não vende. Não muito pelo contrário. O design auxilia a venda e motiva o consumo. Avaliar uma peça visual de um site apenas pela estética e não pelo eficácia em negócios, é um tremendo desperdício!

Na Kamus nós entendemos que todo site é uma peça de comunicação, e como tal, precisa ter objetivos claros e metas a serem atingidas. A criação é baseada na conversão e mesmo que o seu negócio não transacione através do site, a tomada de decisão do consumidor passa por essa comunicação e documentar essa tarefa para criar uma solução visual é fundamental.

O usuário está no centro de tudo

Criar layouts que ignorem a necessidade do usuário é o mesmo que rasgar dinheiro. Num mundo onde não há mais o conceito “entrar na Internet”, pois nós estamos na Internet o tempo todo através dos dispositivos móveis (leia o artigo sobre site responsivo), dar ao usuário aquilo que ele necessita é inteligente e faz bem ao seu negócio.

Todo layout deve ter o usuário como o centro de tudo! É preciso mapear os seus desejos, necessidades e só então podemos desenvolver soluções visuais para atendê-lo.

Mas se a sua empresa ainda tem um site que você acha lindão, mas não vende, ou pior, nem sabe se vende, está na hora de um redesign.

Você não acha!?

Seu site Wix gera negócio para a sua empresa?

Se você respondeu não para essa pergunta, continue a leitura, pois esse artigo foi escrito para você!

Wix é uma plataforma de construtor de sites no estilo faça você mesmo bastante popular na Internet, e que muitos empresários tem usado como opção de comunicação para as suas empresas. É uma plataforma de fácil aprendizado, que em poucos minutos você cria um perfil, escolhe o ‘layout‘ e rapidamente você tem um site no ar, moderno e com a possibilidade de ser incrementado com mais de 200 aplicativos, potencializando o seu projeto.

Mas a pergunta que fica é:

Será que você consegue gerar VALOR para o seu negócio através de um site que você mesmo fez?

Com certeza não!

Ao contrário do que diz o ator Shia Labeouf no vídeo “Just do it!“, seus sonhos não deixarão de serem sonhos só porque você mesmo faz a comunicação da sua empresa!

Comunicação é para profissionais de comunicação.

Aqui na Kamus nós acreditamos na força do time para criar soluções plurais, uma vez que entendemos que isso é uma ciência multidisciplinar. Antes a comunicação era feita de um para muitos, sem segmentação alguma num esquema totalmente ditatorial.

Hoje, o cliente está em todas as plataformas e espera uma comunicação individualizada, e o que propomos aqui é unirmos forças, empresários e Kamus para focarmos nos clientes.

“Nós sempre inovamos começando pelo ‘cliente’ e trabalhando de trás para frente. Isso se torna o nosso ‘padrão de qualidade’ de como inovar na Amazon.”

(Jeff Bezos, CEO da Amazon)

Jeff Bezos trabalha toda a experiência do usuário em primeiro lugar e por isso a Amazon ocupa uma posição de destaque do e-commerce mundial. O foco é comunicar sob a óptica do cliente!

Agora seja sincero, qual é resposta você acha que serve para a pergunta do título?