Como eu vou testar o produto online para aprovação?

Imagine a seguinte situação: sua casa está um pouco velha e precisa fazer uns reparos em vários cômodos. Você chama um profissional, que avalia tudo e faz um proposta de trabalho e entrega um plano de atuação explicando como vai trabalhar e em que prazos.

Proposta provada, a sua família deixa a casa e a reforma começa. Passado alguns dias você vai na casa e percebe que a obra está atrasa porque o profissional decidiu mudar os planos e começou por outro cômodo e não o que foi acordado na proposta.

Situação complicada porque a reforma já começou tem um tempo e não há como voltar mais atrás e fazer tomada de preço com outro profissional, principalmente porque já teve gastos envolvidos, então o melhor é seguir em frente e acompanhar mais de perto as obras.

O grande problema é que você não tem como ir na sua casa todos os dias para acompanhar a evolução da reforma. Até o fim de toda a produção, a expectativa de ver tudo pronto cresce todos os dias e cada pequeno problema, o que é normal de ocorrer, vira um mega problema e a experiência se torna muito angustiante.

Não se preocupe, isso não acontecerá com o seu projeto na Kamus!

Aqui nós adotamos a metodologia Kanban como forma de acompanhar a produção e usamos a ferramenta Trello para todos os projetos.

Assim que a Kamus é contratada, em 5 minutos nós criamos um ‘board’ do seu produto com os ‘cards’ de TODAS as demandas necessárias para a entrega do seu projeto. Se houver a necessidade de alguma nova tarefa, ou uma demanda precisa ser ajustada, nós podemos criar rapidamente um novo ‘card’ ou alterar o já existente.

Tudo às claras para o cliente, que estará no ‘board’ acompanhando toda a movimentação.

Diferente da obra citada, você terá acesso ao projeto com login e senha e saberá exatamente quais demandas estão sendo produzida e já pode interagir caso perceba algo errado.

O resultado final, é uma experiência de produção tranquila e entrega dentro do prazo, sempre!

Em breve haverá mais usuários Android do que Windows

O Windows sempre foi o sistema operacional da maioria dos computadores pessoais do mundo. Durante décadas imperou frente aos concorrentes e quando a Internet surgiu há 20 anos, ele ainda dominava o mercado.

Quando o iPhone entrou em cena em 2007, ele abriu as portas para os celulares entrarem no jogo, popularizando os aplicativos logo depois, mudando completamente o comportamento do usuário para processar informação, se comunicar e se divertir, alterando o ‘modus operandi‘ de toda uma geração que estava nascendo.

Hoje, segundo a empresa de monitoramento Stat Counter, o número de celulares de Android será maior do que os de Windows em breve.

Ok, mas o que isso muda nos meus negócios?

Tudo!

Pense da seguinte forma: vamos supor que uma criança tinha 5 anos no lançamento do iPhone em 2007, e que hoje ela tem 15 anos. Portanto, uma adolescente, que provavelmente tem muitos amigos na escola e já está pensando na faculdade que fará em breve.

Essa pessoa certamente se comunica com amigos pelo Facebook, Instagram, Whatsapp e Snapchat. Ou seja, sua forma de interação com o mundo é através do celular. Portanto, quando ela for um jovem adulta, certamente continuará usando o smartphone para tudo, de busca a compras e aí vem a pergunta que não quer calar:

Será que a sua empresa está capacitada para interagir com esse público através dos dispositivos móveis?

O site da sua empresa precisa rodar corretamente em celulares, já!

Não é mais tendência, nem modismo, é comportamento. 

Segundo a IDC, desde 2014 as vendas de tablets estão caindo vertiginosamente, e no Brasil chegou em 32% de queda. Ainda segundo a pesquisa, o número de notebooks também caiu, e mesmo com um discreto 0,7% a menos nas vendas do ano passado, é bom os fabricantes ficarem atentos.

E essa notícia não afeta só a indústria. Influencia diretamente como a sua empresa gera negócios na Internet. Com 3,7 milhões de tablets e notebook a menos nas mãos dos consumidores que aderem cada vez mais smartphones com telas acima de 5 polegadas, se um site não rodar corretamente nesses dispositivos, o usuário buscará o seu concorrente.

Simples assim!

E não basta o seu site ser responsivo. É preciso pensar na experiência do usuário e como a abordagem da sua empresa impacta na tomada de decisão desse público.

Por exemplo: já passou pela sua cabeça que até mesmo o conteúdo pode ser responsivo, não só o layout? Isso significa que num smartphone o conteúdo fornecido seria mais enxuto, deixando a comunicação mais dinâmica. Afinal, a tela é bem menor, mesmo que o celular seja de 5 polegadas.

Além disso, botões, menus, entre outros itens chamados ‘call to actions‘ precisam ser maiores para facilitar o clique com um dedo e não com o ponteiro do mouse como ocorre na versão ‘desktop‘.  Tudo isso faz com que a experiência do usuário seja mais facilitada, e consequentemente, mais inclinado à conversão.

Ou seja, é bom para os negócios!