Posts

Três em cada dez empresas brasileiras (35%) devem aderir à Black Friday

A economia no país deu sinal de pequena recuperação, mesmo com o cenário político tão conturbado como o que vivemos atualmente.

Mas somados ao crescimento do evento no calendário brasileiro, e a consolidação anos após ano, a Black Friday gera muito expectativa no setor. Segundo um estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) três em cada dez empresas brasileiras (35%) devem aderir à Black Friday. (Fonte: E-Commerce Brasil)

No início, a Black Friday começou com sérios problemas de reputação

Tanto que foram criados inúmeros mecanismos de validação e verificação do cumprimento das promessas de descontos. Bem pouco tempo atrás, batizada de Black Fraude, onde a expressão “tudo pela metade do dobro” viralizou, gerando muitos memes e desconfiança.

Nas edições mais recentes, alguns órgãos se posicionaram como fiscalizadores de apoio ao consumidor. É o caso do Procon de São Paulo, que esse ano fará plantão das 19h do dia 23 até 22h do dia 24 de novembro. Essa iniciativa auxilia o consumidor, e as empresas honestas e ajuda o crescimento ainda mais dos números.

***

Menos de um mês para a Black Friday. Qual foi a estratégia da sua empresa para esse ano? Acesse: http://kamus.com.br/blackfriday/

Black Friday é assunto sério!

Com exceção do Natal, a Black Friday é sim, o maior evento do calendário do comércio brasileiro atualmente. Pasmem. Mais do que dia das mães, dos namorados e das crianças!

Desde quando desembarcou por aqui no ano de 2011, chegou coberto de desconfiança e as perguntas mais recorrentes eram: “afinal, o que é Black Friday, como funciona, quando acontece?”

Um evento mundial de promoção de desconto

Assim podemos definir a Black Friday. Ela acontece sempre na 4ª sexta-feira do mês de novembro, depois do Dia de Ação de Graças, famoso feriado americano chamado ‘Thanksgiving’.

Normalmente nessa época do ano, as lojas ficavam cheias por conta do feriado, e então o comércio criou essa ação promocional e que depois de um tempo, ganhou popularidade e o mundo! Desde então, a Black Friday faz parte do calendário de vários países. E mesmo empresas de outros segmentos diferentes do comércio aderiram o evento e hoje fazem estratégias comerciais para gerar mais negócios.

No comércio, o evento é fundamental para renovar os estoques antes do Natal. Os descontos aumentam o giro das mercadorias, provocando novas compras de reposição em maiores volumes, e consequentemente, maior margem, ideal para o equilíbrio das contas do ano.

Para as empresas de serviços a Black Friday é uma ótima oportunidade de fechar novos negócios. Tradicionalmente no Brasil, o período entre o Natal e o Carnaval são comummente encarados como “de baixa” e o evento auxilia muito na captação de novos recursos.

Para o consumidor a Black Friday tem um propósito diferente do Natal. O conceito é de uma compra pessoal, que aproveita um corte mais agressivo nos preços e transformando em uma oportunidade única no ano.

Em resumo, a Black Friday é um assunto sério!

Esse ano na Kamus nós resolvemos aderir o evento com o propósito de fecharmos novos negócios nesse período do baixa (afinal, somos uma empresa de serviços!), mas também de conscientizar o nosso público sobre a importância na adesão do empresário sobre o evento.

A ideia é trazer conteúdos argumentativos sobre a Black Friday para criar uma cultura de apropriação cada vez maior do empresário brasileiro, planejando, criando estratégias comerciais de comunicação.

É claro que a Kamus oferece todos esses serviços de produção e inteligência para a sua empresa e preparamos uma página especial bastante informativa e com desconto em todos os serviços sob demanda e fixo.

Quem sabe na Black Friday de 2018 a sua empresa/marca não estará fazendo uma campanha com a Kamus dando descontos para os seus clientes!?

Acesse: http://kamus.com.br/blackfriday/

O que falta para sua empresa decolar?

Essa é uma pergunta que possui muitas respostas. Por exemplo, o consultor em marketing e coach de oratória americano, Michael Port, afirma que “problemas de negócios são problemas pessoais disfarçados”. Bom, não posso afirmar que esse é o seu caso, mas, você já parou para pensar porque seu faturamento não duplicou ou triplicou nos últimos anos, mesmo com você fazendo tudo que pode para isso? O caminho para esse salto de qualidade pode estar na sua comunicação online.

Há um tempo, as pessoas procuravam empresas nas Páginas Amarelas. Sim, isso já existiu. Mas, hoje, ainda bem, temos o Google, entre outras ferramentas de busca de informação. Acontece que, para que sua empresa seja achada nessas ferramentas, você precisa se mexer e PRODUZIR CONTEÚDO! Mas, aí você pergunta: como faço isso?

Calma! Existem excelentes profissionais preparados para te ajudar nessa missão. Até porque você não vai pedir que o seu sobrinho de 17 anos, que sabe mexer em Powerpoint, te ajude, né. Afinal, é a imagem da sua empresa que está em jogo. Veja algumas ideias sobre como melhorar sua presença digital e que você talvez ainda não tenha visto.

1. Tenho que ter um site?

Sim. Mesmo que o seu site seja uma página como o nome da sua empresa, endereço e telefone, é necessário que ele exista. Ninguém procura mais nada a não ser na internet; e, principalmente, no celular. Então, procure profissionais que vão também se preocupar com a adequação do seu site a dispositivos móveis (além de celulares, tablets e smart watches).

2. Tenho que ter um domínio próprio?

Sim, sim e sim. Entendeu? Experimente dizer às pessoas que sua empresa fica na rua xdf7a6?adfa. Alguém guardaria isso? É a mesma coisa na internet. Se o seu site é ghsdak7890/.com. Dificilmente alguém vai te achar. Além do que, um domínio é muito barato e só precisa ser renovado anualmente.

3. Tenho que usar redes sociais (Facebook, Instagram etc)?

Mais importante que usar redes sociais é usar as redes sociais certas para o seu negócio.

4. Como eu faço pra escolher as redes sociais certas à minha empresa?

Profissionais de marketing, especialistas em comunicação digital descobrem onde falam sobre a sua empresa ou sobre assuntos afins. Depois de coletar esses dados, eles identificam oportunidades para a sua empresa se posicionar com qualidade e estabelecer um relacionamento com o seu consumidor, seja ele pessoa física ou jurídica (B2B).

5. Preciso acompanhar o trabalho dos especialistas?

É realmente preciso responder? Claro que sim! Quando você abre um canal de relacionamento online é como se você abrisse uma janela: pode receber um bom dia quando ela está aberta, mas também pode receber uma pedrada, se ela estiver fechada. O importante é ouvir o seu público-alvo e ter a estratégia certa para lidar com ele. Muito provavelmente, você receberá relatórios da sua equipe de comunicação e é necessário analisar esses dados. Eles podem ser seu novo ouro.

6. Mas, se eu não estiver na internet, não falarão de mim, certo?

Errado. Seu consumidor, público-alvo já fala de você. Você apenas não descobriu isso e ainda não se relaciona com ele. O mais interessante disso é que entre essas pessoas que já falam da sua marca podem haver influenciadores – pessoas que conhecem tanto sobre os seus produtos que podem espalhar as mensagens-chaves da sua empresa a outros consumidores.

7. E se houver uma crise? O nome da minha empresa estará em jogo?

Deixe-me perguntar uma coisa: é melhor estar preparado para enfrentar uma crise de imagem ou não estar? Se existe diálogo como seus consumidores, se você já estabeleceu contato com eles, será mais fácil controlar uma situação de crise. Mas, lembre-se: é sempre importante falar a verdade em qualquer situação. Descobrir uma mentira na internet é mais fácil que você imagina.

8. E depois que eu estabelecer esse tal relacionamento? Eu posso parar essa comunicação, né?

Não. Uma estratégia de relacionamento digital não é uma campanha publicitária. Você para de vender seus produtos ou serviços? Não, correto? Então, o relacionamento com seu público consumidor também não deve parar. Compare esse esforço de comunicação a um avião. Primeiro, você precisa de força máxima para decolar. Depois, já no ar, você entra no modo velocidade de cruzeiro, com um esforço menor, alcançando um número ainda maior de pessoas. O que não se pode fazer é deixar o avião cair. Entende?

9. Mas, só vamos “ficar de papinho” com o público? Eu quero ganhar dinheiro!

Toda ação feita por sua empresa tem que ter um retorno sobre o investimento, o famoso ROI. É importante estabelecer metas comerciais e traçar uma estratégia que define objetivos de negócio e comunicação. Vender sim e sempre, mas de uma forma diferente.

Estabeleça uma presença digital hoje e comece a fazer contato com quem compra os seus produtos e serviços. Conte a Kamus e seus profissionais para te ajudar. Sucesso.